Baixe aqui Tyndale e a divulgação da Escritura 

Tyndale e a divulgação da Escritura

Alderi Souza de Matos

 

William Tyndale (c. 1494-1536) foi um dos primeiros líderes da Reforma Inglesa e ficou conhecido pelo seu grande esforço em divulgar a Bíblia entre o seu povo, o que finalmente o levou ao martírio. Educado em Oxford e Cambridge, ele ficou perplexo com a ignorância tanto do clero quanto dos leigos acerca das Escrituras. Desejoso de tornar a Bíblia acessível na língua materna e não obtendo o apoio do bispo de Londres, deixou a Inglaterra para nunca mais voltar.

Em 1524, visitou Martinho Lutero e no ano seguinte publicou em Colônia e em Worms, na Alemanha, uma excelente tradução do Novo Testamento baseada no texto grego publicado por Erasmo de Roterdã e na Bíblia Alemã de Lutero. Logo um grande número de cópias dessa tradução chegou à Inglaterra, recebendo especial acolhida em Londres, entre os comerciantes e nas células de irmãos lolardos, que advogavam uma rigorosa “religião da Bíblia”. Das 6.000 cópias dessa edição, somente duas ainda existem. Muitas foram intencionalmente destruídas.

Os líderes do catolicismo inglês, a começar do arcebispo de Cantuária, voltaram-se contra Tyndale com fúria implacável. Agentes secretos foram enviados para seguir os seus passos e prendê-lo. Ele continuou a revisar o seu Novo Testamento e publicou traduções do Pentateuco e de outras partes do Antigo Testamento. Ao mesmo tempo, escreveu comentários bíblicos e um grande tratado teológico. Tyndale foi um pioneiro das traduções inglesas da Bíblia a partir das línguas originais, sendo considerado o verdadeiro pai da Bíblia Inglesa. Cerca de 90% de suas palavras foram adotadas na Versão do Rei Tiago. Hoje o seu estilo literário é amplamente reconhecido.

Ele viveu em relativa segurança junto a comerciantes ingleses em Antuérpia, mas em 1535, após ser traído por um compatriota, foi preso em Vilvorde, perto de Bruxelas. No ano seguinte, foi estrangulado, sendo o seu corpo queimado na fogueira. Segundo consta, suas últimas palavras foram: “Senhor! Abre os olhos do rei da Inglaterra”.